ENSAIOS

nove cartas bazar do tempo.jpg

NOVE CARTAS SOBRE A DIVINA COMÉDIA (2013; 2021)

Em Nove Cartas Sobre a Divina Comédia (2021), Marco Lucchesi nos convida a atravessar a grande obra de Dante Alighieri, compartilhando sua própria leitura, encantamento e assombro pelo universo do poeta italiano. Cada capítulo corresponde a uma carta endereçada ao leitor, traçando diferentes temas e aspectos da Divina Comédia, desde o Inferno até o sublime Paraíso, com precisão poética e paixão pela travessia. Nove Cartas Sobre a Divina Comédia conta, ainda, com um extraordinário conjunto de imagens inspiradas pela obra de Dante ao longo dos séculos. São cerca de sessenta obras, do século XIV até os tempos atuais, selecionadas pelo designer Victor Burton: artistas como Gustave Doré, Sandro Botticelli, William Blake, Eugène Delacroix, Tom Phillips, Alberto Martins, dentre outros, permeiam as páginas do volume. A presente edição se faz acompanhar, ainda, da tradução de Marco Lucchesi para a obra "Teologia Mística", de Pseudo-Dioniso Aeropagita, uma chave de leitura fundamental para a compreensão do Paraíso de Dante Alighieri. 

Cultura da Paz (2020) é uma compilação de 44 ensaios e artigos selecionados, escritos em prosa poética e na maior parte publicados por Marco Lucchesi em periódicos como o jornal O Globo e a revista Comunità Italiana entre os anos de 2011 e 2019. O livro também contém uma entrevista realizada entre o autor e o ilustre filósofo italiano Remo Bodei, falecido em 2019. Cultura da Paz foi editado e organizado com o intuito de criar um diálogo com seu leitor; cada texto remete a um cruzamento com a tradição e com valores que, mais do que nunca, deveriam ser repensados e avaliados por todos os seres humanos que ainda acreditam na capacidade da admiração, indignação e, sobretudo, no fascínio dos verdadeiros textos com alto grau de poeticidade. Finalmente, além de reunir também alguns paratextos de Lucchesi, Cultura da Paz apresenta, pela primeira vez em livro, seus discursos de posse na Academia Brasileira de Letras, em 2011, e na Academia de Ciências de Lisboa, em 2018, bem como os primeiros discursos inaugurais de seus mandatos como presidente da Academia Brasileira de Letras, entre os anos de 2017 e 2019.

cultura-da-paz.jpg

CULTURA DA PAZ (2020)

carteiro imaterial.jpeg

CARTEIRO IMATERIAL (2016)

Carteiro Imaterial (2016) retoma a elogiada ensaística de Marco Lucchesi, em uma coletânea de artigos e ensaios publicados nas primeiras duas décadas do século XXI. Ao longo da obra, o leitor se depara com uma surpreendente pluralidade de temas, sustentados por Marco Lucchesi graças à sua rara e profunda sensibilidade poética, filosoficamente vocacionada e sempre orientada para o mais dedicado humanismo. Assim, dotado de um perene pressentimento do sublime, Lucchesi alcança desde a crise provocada pela Guerra na Síria até as obras de fundamento em Ungaretti, T.S. Eliot, Montaigne e Cioran; traça retratos delicados de Leonardo Boff e Alfredo Bosi, enquanto contempla a importância de Ferreira Gullar e Ariano Suassuna; tece fraternas homenagens a Cleonice Berardinelli e Evanildo Bechara, sem perder a seriedade e a contundência ao comentar a importância da manutenção das instituições culturais e democráticas, responsáveis pela preservação da memória nacional. Política e cultura, poesia e pensamento, oriente e ocidente atravessam a obra como feixes conceituais e incontornáveis, e o leitor recebe, por fim, um singelo autorretrato do próprio Lucchesi, traçado em prosa poética.

livro de deus na obra de dante.jpg

O LIVRO DE DEUS NA OBRA DE DANTE (2011)

O Livro de Deus na obra de Dante (2011) é uma publicação especial, disponível apenas em formato digital. Trata-se de um ensaio de Marco Lucchesi sobre o Livro de Deus na obra dantesca, dentro de uma releitura que se serve da aguda teologia de Sergio Quinzio, exposta na importante obra A Derrota de Deus (La Sconfitta di Dio, 1992). A partir de tal panorama em Quinzio, Marco Lucchesi nos convida a refletir sobre o caráter teológico da revelação divina, tanto em seus limites quanto em seus deslimites, extraindo, finalmente, da própria angústia uma lúcida e luzidia esperança.

WhatsApp Image 2022-02-04 at 09.47.52.jpeg

FICÇÕES DE UM GABINETE
OCIDENTAL (2009)

A prosa poética e reflexiva de Marco Lucchesi se expande pelos ensaios de Ficções de Um Gabinete Ocidental (2009). Os textos aqui reunidos, originalmente declamados em solenidades literário-acadêmicas ou mesmo publicados em periódicos de grande circulação, no Brasil e no exterior, sintetizam a ampla gama de interesses e profundidades que acompanham o seu autor. O problema tão humano do tempo como construção de futuro; a união possível e poética entre Oriente e Ocidente; o mergulho de terna erudição em Machado de Assis; as leituras densas, amorosas e necessárias de Lucchesi sobre o Brasil e sua complexa história; a convergência arrojada, mais íntima do que se espera, entre poesia e matemática; e por fim o mistério fantástico que a teologia esconde, mirando o infinito. Estes são os horizontes que aguardam o leitor ao longo da obra. Ficções de Um Gabinete Ocidental ganhou o Prêmio Ars Latina de Ensaio, na Romênia, em 2010, e o Prêmio Orígenes Lessa, da UBE, no mesmo ano.

WhatsApp Image 2022-02-03 at 11.02.56.jpeg

A MEMÓRIA DE ULISSES (2006)

A Memória de Ulisses (2006) traz a aclamada ensaística de Marco Lucchesi, espraiando, ao longo de seus quase 50 textos, autores como Ibsen, Montaigne, Nietzsche, Gunther Grass, Cervantes, Schopenhauer, Goethe, dentre muitos outros. Dividido em cinco seções, permanecem constantes a impetuosa curiosidade e a brilhante capacidade de síntese de seu autor; o domínio da palavra como gesto poético, e como interpretação de mundo; o compromisso com a literatura, com a filosofia, com a poesia e com a educação; e uma vocação indiscutível para tudo o que diz respeito ao humano. A Memória de Ulisses recebeu o Prêmio João Fagundes de Meneses da UBE, em 2007. Sua segunda edição foi publicada em e-book pela Civilização Brasileira em 2011.

WhatsApp Image 2022-02-03 at 09.31.42.jpeg

TEATRO ALQUÍMICO: DIÁRIO DE LEITURAS (1999; 2018)

Em Teatro Alquímico: diário de leituras (1999), Marco Lucchesi nos apresenta um percurso de leituras afetivo, generoso, poético e dedicado. Ao longo da obra, o autor perpassa uma brilhante pletora de nomes: são inicialmente convocados Dostoievski, Marcel Schwab, Leopardi, com leitor e autor atravessando na sequência os poetas históricos russos em uma profunda antologia; aguardam ambos, ainda, nomes como Jorge de Lima, Platão, Dante Alighieri e Goethe, dentre muitos outros. E todos constelados sempre sobre os temas de eterno fascínio: a literatura, a criação poética, a solidão, a loucura, os sonhos, o amor, a tradução e a grande alquimia que é o trabalho sobre a linguagem enquanto liberdade. Eis então que Teatro Alquímico se revela como um verdadeiro compêndio íntimo sobre Literatura em sua maior vocação – ela mesma. Teatro Alquímico: diário de leituras ganhou o Prêmio Eduardo Frieiro da Academia Mineira de Letras, em 2000, e está disponível em formato e-book pela editora B.T. Acadêmica (2018).

sorriso do caos.jpeg

O SORRISO DO CAOS (1997; 2019)

O Sorriso do Caos (1997) é uma compilação de artigos, ensaios, entrevistas e resenhas publicados, durante a década de 1990, por Marco Lucchesi em cadernos culturais de periódicos de grande circulação, como os jornais O Globo e Folha de São Paulo, dentre outros. A obra surpreende pela lúcida análise e pela rigorosa inquietação que movem, em tenra idade, os diversos textos de seu autor: seja tratando sobre Pier Paolo Pasolini ou entrevistando Nise da Silveira, seja dissertando sobre Rimbaud, Saramago ou Toynbee, ou ainda, refletindo sobre o teatro da crueldade em Antonin Artaud, O Sorriso do Caos revela, em Marco Lucchesi, um contumaz espírito poético, atento tanto à tradição quanto aos principais dilemas de seu próprio tempo. O Sorriso do Caos foi publicado em formato e-book pela editora B. T. Acadêmica em 2019.

WhatsApp Image 2022-02-04 at 12.08.48.jpeg

A PAIXÃO DO INFINITO (1994)

Um dos primeiros livros de Marco Lucchesi, A Paixão do Infinito (1994) é a síntese da tese de doutorado do escritor, elaborada sobre a topologia do Paraíso na Divina Comédia de Dante Alighieri. Com vocação metafísica, arrojado espírito transdisciplinar e um intenso e refinado uso da linguagem poética, o livro ainda inclui a tradução – diretamente do latim e do grego – da obra Teologia Mística de Pseudo-Dioniso Aeropagita, realizada pelo próprio Lucchesi. A inserção da tradução no volume, antecipando a mesma escolha editorial em Nove Cartas Sobre a Divina Comédia (2013; 2021), justifica-se plenamente: a Teologia Mística fornece ao estudioso da Commedia uma chave de leitura indispensável para a compreensão do luminoso Empíreo de Dante.

Primeiro livro de Marco Lucchesi dedicado à ensaística, Breve Introdução ao Inferno de Dante (1985), como o título revela, se concentra sobre uma de suas maiores paixões de seu autor, a inescapável Divina Comédia de Dante Alighieri. Escrito e publicado quando Marco Lucchesi tinha apenas 19 anos, Breve Introdução ao Inferno de Dante antecipa seus mergulhos posteriores, tão eruditos e poéticos na lírica da Commedia; obras como A Paixão do Infinito (1994) e a definitiva Nove Cartas Sobre a Divina Comédia (2013; 2021) muito bem o demonstram.

breve introdução ao inferno de dante.jpg

BREVE INTRODUÇÃO AO INFERNO DE DANTE (1985)