DIÁRIOS FILOSÓFICOS

paisagem-lunar-marco-lucchesi-1051361.jpg

PAISAGEM LUNAR (2021)

Paisagem Lunar (2021) reúne a trilogia inicial de diários filosóficos de Marco Lucchesi em um único volume. Estão presentes, em sua totalidade, a interdisciplinariedade, a intensa erudição e sobretudo a vocação poética dos escritos de Trívia (2019), Vestígios: diário filosófico (2020) e Arena Maris (2021). Elaborados como aforismos, ou seja, essencialmente dentro de uma poética do fragmento, as reflexões de Lucchesi acontecem com espírito de síntese e espantosa sensibilidade, abrindo epistemologias e possibilidades inesgotáveis. Como resultado, é a própria paisagem filosófico-poética que transparece como utopia final. Paisagem Lunar foi publicado simultaneamente em dois formatos: como livro físico e como e-book pela Tesseractum Editorial.

 
arena maris.jpeg

ARENA MARIS (2021)

Concluindo a primeira trilogia de diários filosóficos de Marco Lucchesi, Arena Maris (2021) demonstra a amplitude e a profundidade dos horizontes poético-filosóficos de seu autor. Com aforismos precisos e profundos, dedicados a uma convergência entre política, música, poesia, história e matemática, dentre outros temas, Marco Lucchesi contorna autores e artistas como Karl Popper, Cantor, Leopardi, Quine, Messiaen, Debussy, dentre muitos outros; aborda tópicos sensíveis, como a questão presidiária brasileira; a saudade como exercício político e metafísico; o deserto como metáfora e real mais que real; a música, finalmente, como parâmetro e morada. Arena Maris foi publicado simultaneamente como livro físico e em formato e-book pela Tesseractum editorial; posteriormente, foi reunido na antologia de diários filosóficos Paisagem Lunar (2021).

 
vestigios.jpg

VESTÍGIOS - DIÁRIO FILOSÓFICO (2020)

Em Vestígios: diário filosófico (2020), Marco Lucchesi retoma o formato de diário filosófico de fragmentos iniciado em Trívia (2019), trabalhando as vicissitudes de sua própria contemporaneidade. Entram no rol de seus poéticos aforismos, considerações sobre as relações entre a necropolítica e a pandemia, bem como sobre a importância da esperança como fundamento e valor essencial de futuro; há ainda uma metafísica da leitura ao longo das páginas, enquanto as reflexões do autor se estendem por autores como Plotino, Dante Alighieri, Antonin Artaud, Wittgenstein, Platão e Dostoievski, dentre muitos outros. Tragédia, epistemologia, poesia, tradução, filosofia, literatura e matemática: com sínteses inebriantes e sublime erudição, Vestígios: diário filosófico foi publicado simultaneamente como livro físico e em formato e-book pela Tesseractum Editorial; posteriormente, foi reunido na antologia de diários filosóficos Paisagem Lunar (2021).

 

TRÍVIA (2019)

trivia.jpeg

Trívia (2019) é o primeiro volume dos diários filosóficos de Marco Lucchesi. Inteiramente elaborado a partir de aforismos de desconcertante profundidade e brilhante síntese, a obra divide-se em capítulos temáticos, demonstrando a amplitude dos interesses poéticos e intelectuais de seu autor. São perpassados temas que partem da metapoética do fragmento até a Nona Sinfonia de Beethoven, atravessando, ainda, considerações sobre poesia, matemática, tradução, linguagem e teologia, dentre outros assuntos. Como resultado, a obra abre epistemologias e desvela as inquietações de uma intensa vontade de conhecimento: singularíssimo em sua poética e de fascinante erudição, Trívia foi posteriormente reunido na antologia de diários filosóficos Paisagem Lunar (2021).